Você quer pesquisar a Rede de Sementes do Xingu? Veja os critérios e o protocolo de atendimento

Técnicos da ARSX e bolsistas da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) realizam pesquisa em parceria para avaliação da qualidade das sementes florestais, em 2014

Pesquisadores devem fazer parte de instituições que prezam pelo respeito pela natureza e pela diversidade cultural, e objetos de pesquisa devem ter relação com o trabalho da Rede

Por ter um modo de funcionamento que serve de inspiração para o Brasil e para o mundo, a  Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX) sempre foi objeto de pesquisas acadêmicas de todos os tipos. Por isso, a ARSX aprovou, no fim de julho, um protocolo que norteia o atendimento a pesquisadores interessados em estudar o modo de funcionamento social e as inovações tecnológicas que fazem parte do dia-a-dia da ARSX.

Esse protocolo, criado pelo Comitê Diretivo da Rede, estabelece critérios para a aprovação das pesquisas; para o relacionamento com universidades e com pesquisadores; para o acompanhamento das pesquisas em andamento e para a apresentação dos resultados.

De acordo com o que foi decidido pelo Comitê Diretivo — a instância de tomada de decisões formada pelos três membros da Diretoria e por três representantes dos macrogrupos de coletores (indígenas, agricultores familiares e urbanos) —, os pedidos de pesquisa devem atender aos seguintes critérios:

– A instituição à qual o pesquisador está vinculado deve ter como preceito o respeito pela natureza e pela diversidade cultural;

– O tema da pesquisa deve ter relação com o trabalho da Rede;

– A pesquisa deve fornecer alguma devolutiva para a Rede, seja solucionando um problema ou acrescentado algum novo conhecimento, mesmo que de forma indireta;

– Todo e qualquer trabalho realizado diretamente com os coletores deve estar de acordo com o formato da OIT 169.

Também foram definidos os temas de pesquisas sociais e técnicas que são de interesse da ARSX. Entre os assuntos que dizem respeito ao social, serão bem-vindas pesquisas sobre os impactos dos recursos financeiros dentro das comunidades (tanto os internos, provenientes da venda das sementes, como externos, que chegam através de projetos, apoios e parcerias); e sobre como a ARSX está presente na vida das comunidades — ou seja, o que ela traz para as comunidades participantes, para além do financeiro.

Dentre os temas de interesse técnico, estão testes de germinação e armazenamento com sementes recalcitrantes (que não sobrevivem a secagem e congelamento); avaliação da interferência da muvuca no microclima; acompanhamento da recuperação das áreas desmatadas na Terra Indígena Marãiwatsédé; o efeito do translado de sementes que são do mesmo bioma, porém de estados diferentes; e o efeito das mudanças climáticas sobre as sementes.

Quero fazer uma pesquisa na Rede de Sementes do Xingu. O que devo fazer?

A primeira coisa é enviar um e-mail para o Comitê Diretivo (comitediretivo@sementesdoxingu.org.br) e apresentar a sua pesquisa. Em seguida, o pesquisador terá de responder um formulário indicando os objetivos da pesquisa, a metodologia que será empregada, o tempo de duração do trabalho, que problemáticas a pesquisa pode solucionar na ARSX, entre outras questões.

Em seguida, será convocada uma reunião entre o pesquisador e o Comitê Diretivo para mais esclarecimentos. 

Caso a pesquisa seja aprovada, o pesquisador deverá pedir uma carta de anuência dos grupos envolvidos, e essa carta deve ser encaminhada para o Comitê Diretivo. Em seguida, o pesquisador será direcionado a dois procedimentos-padrão, dependendo do tipo de pesquisa. 

Se for uma pesquisa social e o estudante queira trabalhar com grupos coletores, ele deverá informar ao Comitê, com antecedência, as datas de visitas previstas, para que assim os grupos, juntamente com seus elos, possam ser informados e organizarem-se para recebê-lo. 

Caso a pesquisa seja técnica e o trabalho for somente com sementes coletadas e doadas pela Rede, o pesquisador deverá se comprometer com um termo de que aquelas sementes serão utilizadas para fins de pesquisa e que apresentará os resultados obtidos à Rede de Sementes do Xingu.

Por outro lado, os elos e os coletores de sementes que tiverem contato com o pesquisador poderão repassar um parecer sobre como foi a visita. Se o grupo ou o elo/coletor não quiser mais participar da pesquisa, poderá pedir para que ele ou o seu grupo sejam retirados da pesquisa, comunicando a decisão ao Comitê e ao pesquisador.

Caso a pesquisa não seja aprovada pelo Comitê, porém um ou mais grupos integrantes da ARSX queiram realizar o estudo, o pesquisador precisa mencionar na introdução do trabalho que a pesquisa não representa a Rede de Sementes do Xingu, e sim um grupo que faz parte dela.

Deixe um comentário